• 20 de julho de 2024

Hospital Moinhos de Vento realiza primeira angioplastia pulmonar por balão

 Hospital Moinhos de Vento realiza primeira angioplastia pulmonar por balão
Foto: Divulgação Hospital Moinhos de Vento

Procedimento, que tratou Hipertensão Pulmonar Tromboembólica Crônica, é menos invasivo do que métodos tradicionais

A desobstrução de artérias pulmonares agora passa a receber uma nova técnica no Hospital Moinhos de Vento. A instituição realizou, pela primeira vez, a angioplastia pulmonar por balão para tratamento de Hipertensão Pulmonar Tromboembólica Crônica (HPTEC). O procedimento consiste no cateterismo das artérias pulmonares com a introdução de um balão que dilata as obstruções. A técnica foi realizada no dia 20 de outubro e obteve sucesso completo, sem nenhuma intercorrência.

A paciente do sexo feminino tem 31 anos e sofre de HPTEC, uma doença grave causada por um conjunto de alterações que dificultam a passagem do sangue pelas artérias pulmonares. O procedimento foi realizado pelo cardiologista intervencionista do Hospital Moinhos de Vento, Rodrigo Wainstein, e contou com o suporte do chefe do Serviço de Pneumologia e Cirurgia Torácica, Marcelo Basso Gazzana.

“Esse método é semelhante ao que é feito nas coronárias, mas neste procedimento pulmonar não se coloca stent, só dilata. A angioplastia por balão dilata os ramos das artérias  pulmonares e permite que o sangue passe mais facilmente. Consequentemente, o coração pode bombear o sangue precisando de menos força para vencer esta resistência, que estava aumentada antes do procedimento”, ressalta Gazzana.

O cardiologista Wainstein explica que a angioplastia por balão é uma alternativa menos invasiva para aqueles pacientes que não são candidatos a tratamento cirúrgico convencional. “A técnica pode ser aplicada para aqueles pacientes que apresentam lesões geralmente mais distais, ou seja, localizadas mais no final dos vasos pulmonares que não seriam abordadas pela cirurgia convencional”, afirma o médico.

O procedimento ajuda a diminuir a pressão nas artérias do pulmão, melhorando a passagem de sangue no órgão, restaurando a oxigenação sanguínea e a função cardíaca. Além de amenizar os sintomas do paciente, ajuda a aumentar a capacidade de realização de exercícios.

Foto: Divulgação Hospital Moinhos de Vento

Canoas Mais

Noticias Relacionadas